sábado, 10 de março de 2012

Tentativa de torta crocante de doce de leite

Há cerca de uns 4 anos atrás, minha irmã mais velha foi com os amigos comemorar seu aniversário em um famoso restaurante da cidade. Lá era possível comprar bolos/tortas da casa para “os parabéns” ou levar a torta de sua preferência. Uma das amigas da minha irmã levou uma torta que ela gostava da Lecadô.

Quando chegaram ao restaurante, combinaram com o gerente, que guardou a torta na geladeira e anotou o número da mesa. Quando chegou a hora de comerem a torta, essa amiga da minha irmã, percebeu que a torta delas estava sendo comida em outra mesa, e o garçom trouxe para elas uma torta pequenininha, que na verdade era a torta da mesa que estava com a delas. Acabou então que o restaurante se desculpou e deu a elas uma das tortas da casa e nem a minha irmã, e nem a amiga tiveram suas contas como cortesia do restaurante.

Confusões a parte, a torta recebida pelo restaurante foi o “doce de leite crocante” da Di Norma. E foi assim que conhecemos essa torta que desde então aparece em muitas ocasiões quando pensamos em comprar uma torta fora. Ela é simplesmente uma delicia!

Existem outras doceiras que tentam fazer uma versão, mas a da Di Norma é sempre incomparável. E com essa inspiração, resolvi tentar também. Depois de tanto comer essa torta, fiquei imaginando como seria para fazê-la, não sei se acertei, mas imagino que tenha ficado gostosa, ainda não comi, vou comer só depois do almoço.

Quando eu era adolescente, eu era particularmente famosa pela minha “torta alemã”. Que assim como essa torta crocante, nada mais é que um creme branco com biscoito de maisena e uma cobertura. Procurei na internet, mas não encontrei nenhuma receita que me fosse satisfatória, então resolvi criar a minha um pouco baseada nessa torta alemã.

Passei a semana inteira fazendo preparativos! Como queria levar para a minha turma de fotografia, comprei durante a semana embalagens individuais e os ingredientes. Encontrei essa lata de 1kg de leite condensado e cozinhei por 1h e 15min! Comprei os biscoitos e as latas de creme de leite que deixei na geladeira.


Para a torta:

ü  3 gemas sem a pele (a pele é que dá o “cheiro de ovo”)
ü  1 copo de 200ml de açúcar refinado peneirado
ü  1 pacote de manteiga de 200g sem sal e a temperatura ambiente
ü  2 latas de creme de leite sem o soro
ü  Baunilha
ü  1 lata de leite condensado cozido na panela de pressão por 40min
ü  1 ½ pacote de biscoito maisena
ü  Aproximadamente 1 taça pequena de Vinho branco

Começar tirando o soro da lata de creme de leite. Para isso, a lata deve estar há pelo menos 1 dia na geladeira. O leite condensado deve já estar cozido, porque demora a cozinhar e a esfriar, não podendo ser usado no mesmo dia. Colocar o soro em uma vasilha e misturar com o vinho branco. Eu não tinha vinho branco aqui em casa então usei um reserva cabernet sauvignon tinto do meu pai que estava na geladeira... enfim, a única diferença é que deixou a mistura roxa... rs

Retirar a pele das gemas antes de coloca-las na batedeira e bater com o açúcar e a manteiga. Bater bastante até o creme ficar branco! Adicionar a nossa quantidade mágica de baunilha (cerca de 1 colher de chá, eu não sei ao certo, porque coloco de olho). Desligar a batedeira e adicionar o creme de leite. Misturar com uma colher até o creme ficar uniforme. Reserve.


Molhar os biscoitos e forrar o fundo de uma forma, é melhor escolher uma quadrada. Eu tive um pouco de trabalho porque quis fazer em embalagens individuais e ainda fazer uma torta aqui para casa. Resultado: fiz três receitas!

Na forma, colocar uma camada de biscoito, uma camada do creme branco, mais uma camada de biscoito. Levar ao congelador por 15 min. Depois, colocar uma camada de doce de leite, mais uma camada de creme branco e mais uma camada de biscoito. Voltar com a torta para a geladeira.

Para a cobertura:

ü  1 xícara de açúcar
ü  1 pacote pequeno de castanha de caju picada (tipo crocante para sorvete)
ü  ½ xícara de água

Colocar o açúcar na panela e deixar derreter e dourar, sem mexer, quanto menos mexe, mais dourado ele fica. Adicionar a água, como se fosse fazer uma calda de pudim. 



Quando coloca a água, esse princípio de calda de açúcar borbulha, cresce e vira meio que uma bala. Tem que esperar até derreter de novo e a água se incorporar na calda. Adicionar a castanha de caju picada. Não pode esperar muito para colocar em cima da torta, se não endurece.



Voltar com a torta pronta para a geladeira. Esperar pelo menos 1h para servir. Fiz um total de 20 porções individuais e 2 tortas pequenas, mas fiz 3 receitas e usei 1 lata de 1 kg de doce de leite...



11 comentários:

  1. Cara...
    Caaara...
    CAAARAAAA...

    "Isso ficou uma delícia." é uma declaração terrivelmente fraca pra definir como ficou.

    ResponderExcluir
  2. uma delicia!! adoreiiiii..... a outra metade q guardei, trouxe p casa e foi minha janta. rs

    ResponderExcluir
  3. gente, que coisa mais gostosa! obrigada pela dica

    ResponderExcluir
  4. Eu fiz essa torta e ficou simplesmente MARAVILHOSA!! Parabéns e obrigada!! :D

    ResponderExcluir
  5. Hein... o vinho branco com o soro é misturado no creme?... não entendi essa parte.

    ResponderExcluir
  6. Não entendi onde o vinho branco se encaixa na receita...

    ResponderExcluir
  7. Não entendi onde o vinho branco se encaixa na receita...

    ResponderExcluir
  8. E...faltou explicar a parte do vinho branco..

    ResponderExcluir
  9. E...faltou explicar a parte do vinho branco..

    ResponderExcluir
  10. O vinho é para umedecer o biscoito junto ao soro 😄

    ResponderExcluir
  11. O vinho é para umedecer o biscoito junto ao soro 😄

    ResponderExcluir